11 razões para utilizar atividades em treinamentos

Por Paulo R. Käfer e Jaqueline C. Mikulski

Ninguém jamais deve ter aprendido a andar de bicicleta lendo um manual sobre o assunto nem tampouco assistindo a uma palestra motivacional, cheia de frases de alto impacto e com slides bonitinhos sobre como ter alta performance ao andar de bicicleta. Isso parece até absurdo!

As pessoas aprendem a andar de bicicleta, praticando. É bem verdade que alguns tombinhos vem junto no pacote. Mas sem vivenciar, experimentar e pedalar muito, como é possível aprender a andar de bicicleta?

É mais ou menos essa a lógica para você utilizar boas atividades práticas em seus treinamentos.

Abaixo, de acordo com nossa experiência em treinamentos empresariais, elaboramos algumas razões para você utilizar boas dinâmicas em seus cursos.

 

1 # Aprendizado interativo e cooperativo

Atividades desenvolvidas em grupos ou em pares permitem que os participantes aprendam uns com os outros, troquem ideias e compartilhem experiências significativas.

Os participantes acabam aprendendo a se relacionar melhor, liderar ou aceitar a liderança de outra pessoa no grupo ou lidar com as diferenças de opiniões, por exemplo.

O aprendizado também pode emergir durante as interações e cooperações entre os membros de um mesmo grupo durante as dinâmicas.

 

2 # Tornam o conteúdo mais leve

Qualquer conteúdo, seja ele técnico ou comportamental pode ser apresentado por intermédio de atividades.

Pode ser um jogo de perguntas e respostas, uma simulação, uma dramatização, um desafio, um jogo de tabuleiro, uma tarefa e assim por diante.

Quando o conteúdo é “embalado” em forma de um jogo, dinâmica grupal, vivência ou atividade, o treinamento torna-se mais leve, mais descontraído, mais memorável e com isso há maior aprendizagem.

Nas palavras de Walt Disney: “prefiro divertir as pessoas na esperança de que aprendam, do que ensiná-las na esperança de que se divirtam”.

 

3 # Ampliar visão

Ao trabalharem em grupos debatendo o conteúdo, os participantes têm a oportunidade de ampliar a visão sobre determinado tópico, já que além de seus próprios pontos de vista, tomarão conhecimento dos pontos de vista de outros participantes.

Isso ajuda a aprofundar a compreensão sobre o tema que está sendo trabalhado.

 

4 # Foco no desempenho

Reflita: como é possível sabermos sobre o desempenho do participante, se apenas dermos instruções?

Ao introduzir atividades nos treinamentos, muda-se a abordagem do foco no conteúdo para o foco no desempenho.

Há alguns anos, nós conduzimos um treinamento de vendas consultivas para uma equipe comercial de uma empresa e optamos por utilizar simulações de vendas utilizando os produtos da empresa que haviam sido relatados como os mais difíceis de vender.

Com essa abordagem (baseada em desempenho) pudemos observar como os participantes se saíram e onde estavam os grandes desafios da equipe.

Isso permitiu que a empresa mantivesse um programa de treinamento focado nos desafios detectados no treinamento.

 

5 # Aprendizagem ativa

Qualquer tema e qualquer assunto pode ser ensinado utilizando estratégias passivas, como exposição do conteúdo através de slides, por exemplo, ou através de estratégias ativas em que os participantes são engajados nas atividades.

Não existe desafio algum em só ficar escutando alguém falar. É cômodo, é fácil, é confortável. Mas quando o Facilitador propõe alguma atividade, começa o envolvimento dos participantes com o propósito de realizar bem a tarefa.

Assim, ao utilizar atividades nos seus treinamentos, você estará promovendo a aprendizagem ativa. Isso permite que através das dinâmicas de grupo, os participantes se vejam diante de desafios e possam superá-los.

 

6 # Energizar um grupo

Existem situações em que é necessário energizar o grupo, como por exemplo após o almoço ou uma intensa seção de aula expositiva de um novo conteúdo.

Nessa situação, os vitalizadores são essenciais porque eles ajudam a energizar o grupo e preparar as pessoas para uma nova seção de aprendizagem.

Os vitalizadores são atividades rápidas (duram no máximo 15 minutos), são descontraídos, leves e lúdicos.

Nós temos um E-book com 50 atividades para treinamentos que contém 10 sugestões de vitalizadores testados e aprovados em nossos treinamentos. Se desejar saber mais sobre o E-book, clique no botão abaixo.

continue

7 # Simular a prática

Imagine que um Facilitador foi chamado para dar um treinamento de feedback e ele tem oito horas disponíveis para isso.

Se ele apenas falar sobre a importância do feedback, trazer conceitos e técnicas, sem nenhuma atividade ou nenhuma simulação, os participantes além de cansar, dificilmente colocarão os ensinamentos na sua prática diária.

Ao utilizar simulações, você permite que os participantes realizem as atividades de acordo com o cotidiano profissional deles. Isso confere muito mais realismo ao treinamento.

No final das contas, quando os participantes praticam no treinamento, tendem a praticar fora dele também.

 

8 # Oscilação

Utilizar atividades durante o treinamento permite oscilar entre atividades meramente intelectuais para atividades práticas (mão na massa).

Essa oscilação é fundamental para não trazer tanto cansaço aos participantes, gerar produtividade, bem-estar e aprendizagem.

 

9 # Atender a estilos diferentes

Existem diferentes formas de aprender. Alguns participantes aprendem mais ouvindo o instrutor ou procurando estabelecer relações a partir dos temas expostos.

Outros aprendem mais com informações visuais. É aí que entram os slides e vídeos, por exemplo.

Há também aqueles que aprendem mais por intermédio de interações com as outras pessoas.

Outros gostam de aprender solucionando problemas, refletindo profundamente e analisando situações. E há aqueles que aprendem realizando tarefas.

Ao intercalar aulas expositivas com atividades você terá mais chances de alcançar os diversos perfis de aprendizagem.

 

10 # Upgrade nos relacionamentos

Em nossa experiência realizando vários treinamentos in company pelo Brasil, identificamos que através das atividades, as pessoas que trabalham em setores diferentes acabam se conhecendo melhor.

Isso aproxima as pessoas, melhora o relacionamento, reduz conflitos, clareia a percepção sobre os colegas e amplia a conexão entre setores de uma mesma empresa.

 

11 # Permitem fazer avaliações

Durante o treinamento, as atividades permitem ao Trainer fazer uma avaliação do entendimento que os participantes estão tendo sobre o tema ou assunto em questão.

Um treinamento sobre produtos ou procedimentos por exemplo pode ter um jogo de perguntas e respostas (quiz) que pode avaliar o domínio do assunto por parte dos participantes. Também vai permitir identificar pontos do conteúdo que precisam ser melhor esclarecidos.

E aí? Ficou convencido (a) sobre a importância das atividades? Quer introduzir mais atividades em seus treinamentos, aulas e cursos e obter melhores resultados?

Conheça o E-book As 50 melhores atividades para treinamentos, uma seleção de atividades que utilizamos em nossos treinamentos nos últimos 13 anos. Além das 50 atividades selecionadas, elaboramos também um SUPER BÔNUS: um E-book com 50 histórias. Assim, você compra um e ganha outro.

Ficou interessado (a)? Clique no botão abaixo.

continue

Todos os textos do blog possuem direitos autorais. Cópia proibida.

 

Share Button

2 thoughts on “11 razões para utilizar atividades em treinamentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enviar