3 motivos para afastar o hábito da comparação

Por Paulo R. Käfer

O amigo compra um carrão conversível novinho em folha. As fotos da última viagem da amiga são extraordinárias. A carreira daquele colega de faculdade é um sucesso estrondoso. A empresa do concorrente parece ir de vento em popa. Os amigos das redes sociais parecem que descobriram a “fórmula secreta” da felicidade.

Todos esses estímulos somados aos “ideais de perfeição” fazem com que o ser humano tenha uma ligeira tendência em se comparar com os outros. Você já se pegou se comparando com alguém? Quem nunca?

Quando ainda somos crianças podemos comparar notas escolares e alguns brinquedos que os outros têm e a gente não. Mas quando ficamos adultos, os “brinquedos” são outros: o tamanho do apartamento, a potência do carro, renda, diplomas, a casa na praia, cargos e outras parafernálias mundanas.

Em um mundo extremamente competitivo, onde nem todos conseguem chegar lá, seja lá onde for esse lugar, o hábito da comparação parece marcar presença em vários momentos do cotidiano das pessoas.

Creio que comparar-se a outros não seja de muita utilidade, principalmente porque sem uma consciência elevada, a comparação pode resultar em um dos sete pecados capitais: ela mesmo, a inveja.

Além disso, a comparação pode despertar sentimentos de inferioridade levando a uma baixa autoestima. É quando a grama do vizinho parece ser bem mais bonita, ainda que ela nem sempre seja tão bonita assim como parece…

1 # A imagem que temos de uma pessoa não é a pessoa

Na maior parte das vezes, a comparação não é feita com a pessoa em si, mas com a projeção que é feita dela. Ou seja, a própria comparação nem sempre é realizada com base na realidade, e sim, por meio de inferências ou em relação a uma pequena parcela da realidade.

Quando nos comparamos com o outro, estamos nos comparando com a ideia que fazemos dele, portanto, uma ilusão, já que não temos todas as informações acerca do indivíduo. A imagem que temos de uma pessoa não é ela.

Portanto, se comparar com alguém olhando somente uma parte da realidade pode ser para lá de contraproducente!

2 # Cada ser humano é único

Cada pessoa é única. Isso já é motivo suficiente para evitar comparações. Os outros são os outros e nós somos nós. Parece óbvio, mas não nos lembramos disso quando estamos nos comparando com outras pessoas.

Vamos ousar mais?Cada indivíduo tem sua história de vida, seus acertos e tropeços, seu próprio código genético e sua própria impressão digital. E quando se trata de gente não cabe comparação. Portanto não tem sentido sentir-se inferior ou superior a alguém. Cada qual tem seu diferencial e ponto final.

Comparar duas histórias de vida seria como comparar o sol e a lua ou uma árvore e um lago. Cada elemento da natureza tem sua própria beleza. Cada ser humano tem seu próprio caminho. Portanto dispensa comparações.

Além disso, a comparação começa a ficar preocupante quando uma pessoa ao se comparar com alguém, acha que precisa ser como ela ou agir como ela. Na tentativa de ser como o outro, ela própria vai perdendo sua singularidade. O bordão “seja você mesmo” pode até ser um clichê, mas ainda acho uma recomendação bem saudável.

Quando compreendemos profundamente quem nós somos e qual é o nosso papel no mundo, não sentimos necessidade nenhuma de comparações superficiais.

3 # Superar a si mesmo é melhor do que comparar-se com outras pessoas

Por essas e por outras, penso que comparar-se aos outros é perda de tempo. Não é muito mais interessante e produtivo colocar foco no melhor ser humano que podemos ser? Ao invés de olhar para a trajetória alheia, não é mais pragmático e efetivo focar na própria jornada?

Se a competição favorece a comparação, não é melhor competir consigo mesmo ao invés de comparar-se com outras pessoas? Aperfeiçoar a si mesmo dia após dia é a grande tarefa dos que querem ir além do básico e realmente evoluir como indivíduo.

Procurar ser melhor hoje do que era ontem, bater o próprio recorde, perseguir a excelência, superar-se! Essa competição vale a pena. E os grandes vitoriosos somos nós mesmos.

#

3 DICAS EXTRAS!

Talvez seja altamente desafiador erradicar completamente o hábito da comparação. Mas é perfeitamente possível enfraquecê-lo. Isso parece ser suficiente para causar um impacto bem positivo na vida.

1 # Reconhecer o impacto da comparação

É bom ser sincero consigo mesmo e reconhecer o quanto a comparação interfere no bem-estar.

Algumas perguntas podem ser úteis. Comparar-se com outras pessoas é bom para mim? Tem alguma utilidade? Desperta bons sentimentos? Traz paz interior? Causa impacto positivo?

Se a resposta for “não”, o jeito é evitar comparações.

2 # Substituir comparação por admiração

A admiração parece ser bem mais interessante que a comparação. Ao admirar alguém de maneira genuína, o sentimento é nobre, elevado. O indivíduo que admiramos é um exemplo para nós. Uma referência positiva e inspiradora.

3 # Tirar o foco da comparação e colocar na gratidão

Ao nos compararmos, olhamos para o que os outros possuem. Quando cultivamos diariamente a gratidão, redirecionamos a atenção e valorizamos aquilo que nós temos. Gratidão gera felicidade!

Há muitas coisas pelas quais podemos ser gratos. Podemos até fazer uma “listinha da gratidão”. Eu tenho o hábito de agradecer quase todos os dias logo que eu acordo pelas dádivas da vida. Para mim funciona: minha mente fica mais serena e meu dia fica mais agradável…

Por falar nisso, agradeço de coração sua visita aqui no blog e espero sinceramente que essas dicas e reflexões tenham sido relevantes e úteis para você.

Grande abraço, paz na mente e até o próximo texto.

Paulo R. Käfer

Diretor e Facilitador da MKaPlus, empresa especializada em ajudar instrutores e facilitadores a terem alta performance e realizarem treinamentos fantásticos. Tem mais de 11 anos de experiências em treinamentos empresariais e é Instrutor da Formação de Multiplicadores – Facilitador Coach ©, com dezenas de turmas realizadas pelo Brasil.

Mais sobre Paulo.


Todos os textos do blog possuem direitos autorais. Cópia proibida.

arrow
Gostou do texto? Achou relevante? Então que tal se cadastrar abaixo para receber nossa newsletter?


Por favor, deixe um comentário abaixo e compartilhe suas ideias com a gente. Vamos juntos criar um mundo melhor.

Facilitador Coach

Share Button

11 thoughts on “3 motivos para afastar o hábito da comparação

  1. Nunca li um texto tão esclarecedor sobre um assunto tão atual. Muito bom mesmo, vou refletir muito acerca desse conteúdo e praticar é claro! Mais uma vez parabéns por nos privilegiar com informações tão valiosas para a vida!

  2. Paulo, ler os seus artigos é sempre uma oportunidade de reflexão!
    É impressionante o quanto vocês conseguem abrir a nossa mente e apresentar informações tão peculiares e valiosas.
    Agradeço a Deus por ter encontrado essa fonte de inspiração a cada leitura!
    Parabéns pelo talento. Sucesso!

  3. Paulo

    A cada texto um aprendizado, muito bom, excelente, que Deus continue iluminado vocês, para que possam continuar evoluindo nesta caminhada e consequentemente distribua sementes neste sistema o qual eu e milhares de pessoas fazem parte.
    Gratidão!

    Joelma

  4. Olá,

    Gostei muito deste artigo. Como posso enviar por e-mail para outra pessoa?

    Obrigada e Parabéns. Admiro muito o trabalho de vocês.

    • Olá Siumara!

      Que bom que você gostou do artigo!
      Para enviar por e-mail, basta clicar em email no final do artigo aqui no blog (ao lado dos botões de compartilhamento das redes sociais) e enviar o link para quem você quiser.
      Continue nos acompanhando!

      Grande abraço!

  5. Você quis dizer no texto de comparação pessoal?! E sobre a comparação entre empresas (Benchmark)? O que você acha desta prática?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *