Pessoas indo e pessoas vindo

Por Paulo R. Käfer*

Saio para caminhar na metrópole. O que vejo? Pessoas indo, pessoas vindo.

A pressa parece impulsionar esses caminhantes que tentam ser humanos nestes tempos de controverso individualismo.

Pessoas indo, pessoas vindo. Olham para cá e para lá a cada instante como se estivessem procurando uma razão para sua existência. Pouco encontram, mas continuam na busca frenética, muitos em direção a um vácuo emocional cada vez mais intenso.

Turistas tiram fotos e fazem pose. A fotografia adquire mais significado que o próprio momento, que já não é mais.

Pessoas indo, pessoas vindo. Procuro um olhar amigo na multidão, mas não encontro. Um automatismo inconsciente parece ter se apoderado daqueles seres, que andam depressa, imersos nas próprias ilusões. Sem saber para onde vão, parecem fugir de si mesmos.

Entro em devaneio: vivemos em meio a um mar de banalidades, repetições exaustivas, obviedades entediantes, discussões tolas sobre convicções inconscientes, superficialidades gritantes e disputas por holofotes… Tudo isso cansa, consome energia, perde-se tempo, sem perceber que estamos deixando de lado o ingrediente mais importante: o essencial, aquilo que verdadeiramente importa nessa vida, ou dito de outra forma: aquilo que faz nosso coração vibrar.

E bem no meio da caminhada me dou conta: preciso mudar o foco e olhar para outras direções. Começo a contemplar tudo de uma forma nova, mais vibrante e mais colorida.

Alguém toca violão na praça, o simpático homem vestido de palhaço faz malabarismos na sinaleira e uma doce e meiga bailarina incorpora a dança do cisne na calçada, que não é da fama. A arte surge meio tímida, sem palco nem moldura. Sem cortinas nem camarim. As coisas parecem melhorar e começo a sorrir.

Pessoas indo, pessoas vindo. O cachorrinho saltitante, o sorriso inconfundível de quem está apaixonado, o passarinho pousando no galho da árvore que ainda está lá e o incrível balé das folhas dirigidas pelo vento do outono aquietam minha mente.

Observo a gentileza incondicional do homem que ajuda a querida vovozinha a atravessar a rua e a cena acaba me oferecendo um sopro de esperança e um afago na alma. Quem sabe um mundo mais pacífico onde pretensões vãs são substituídas por altruísmo genuíno irá se descortinar…

Meu olhar sobre o cenário mudou e o cenário acabou mudando. E longe de ser uma convicção, nem tampouco uma certeza, em um breve, mas intenso lampejo, digo para mim mesmo em voz alta:

– Somos todos dançarinos, procurando o melhor passo nessa dança mágica da existência. E o ritmo, a harmonia e a leveza com que dançamos, depende muito para onde nós olhamos.

Tudo isso, apenas em uma caminhada…


Paulo R. Käfer

Diretor e Facilitador da MKaPlus, empresa especializada em ajudar instrutores e facilitadores a terem alta performance e realizarem treinamentos fantásticos. É instrutor da Formação de Multiplicadores – Facilitador Coach©, com várias turmas realizadas pelo Brasil.

>>> Mais sobre Paulo.

Todos os direitos reservados, cópia proibida.

arrow
Gostou desse texto? Achou relevante? Então que tal se cadastrar abaixo para receber nossa newsletter?

Share Button

9 thoughts on “Pessoas indo e pessoas vindo

  1. Texto muito interessante, nos faz refletir sobre o que queremos, para onde direcionamos nosso “olhar” ou melhor, nosso foco.
    Muito bom mesmo. Gostei bastante.

  2. Gostei muito deste texto e pretendo levá-lo aos meus alunos amanhã para iniciar a semana.Essa leitura trouxe-me alívio e um novo pensar e assim iniciarei uma nova semana…Inspirador

  3. Um toque para todas as pessoas que vivem imersas no cotidiano sem perceberem que já perderam o foco. E quando isso acontece pouca coisa tem significado apenas é mais uma coisa aos nossos olhos. Parabéns Paulo, por tanta sensibilidade!

  4. Caro Paulo,

    Poderia pensar em vários adjetivos para qualificar seus textos, mas resumo em apenas uma palavra: INSPIRADORES

    Abraço,

    Antonio Carlos Ferreira

  5. Tenho paixão por textos assim, simples, profundos e que retratam a realidade das pessoas diante das turbulências no mundo cruel da competitividade e acima de tudo da necessidade urgente de construir novos modelos pessoais e profissionais e ampliar a visão de mundo.Parabens ao autor do texto.Vou usá-lo sempre na abertura de minhas aulas e palestras.Abraços.Prof.Me.Itamar

  6. Lindo texto que me remete a algo que há muito tempo descobri: sobre a importância de sempre renovarmos nossos olhares para todas as coisas e passarmos a tocar mais com o coração do que a mente, as mensagens que o mundo nos proporciona.

  7. Excelente reflexão! Me proporcionou leveza!
    Muito importante não perdermos as esperanças em nós e nas pessoas e termos o olhar sereno e observador de quem percebe as belas sutilezas do dia a dia.
    Esta visão nos proporciona mais leveza, principalmente se inseridos numa metrópole, distantes da natureza, que acredito ser nossa principal fonte de conexão com nosso verdadeiro EU.

    Abraços!

  8. Bom dia! O texto e maravilhoso, e nos levar a pensar o que fazemos com o nosso ir e vir na correria do dia a dia. Vou levar este texto para discussão na minha turma de RH.

    Ótima semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *